Sala de Aula Invertida - O Aluno como Protagonista

Atualizado: Jul 2

Uma inversão de papéis com muito comprometimento para melhores resultados


O conceito de Sala de Aula Invertida surgiu nos Estados Unidos em 2007, mas ainda é uma novidade para nós aqui no Brasil. Ele consiste em alterar a ordem dos acontecimentos: normalmente, o professor explica o conteúdo em sala e o aluno aplica e treina em casa. Como seria se ocorresse o inverso?


Fazendo uma relação com a Taxonomia de Bloom (material em geral conhecido pelos professores, mas que vale a pena lembrar aqui!), que consiste em uma estruturação hierárquica de objetivos educacionais - do mais simples ao mais complexo. Seria como se em sala o professor trabalhasse os últimos pontos (aplicação, análise, síntese e avaliação), enquanto em casa, o aluno desenvolvesse os primeiros (conhecimento e compreensão).



Através desse modelo, os papéis de professor e aluno também sofrem modificações. O estudante deixa de ser apenas receptor do conhecimento e assume um papel ativo, de protagonista do seu próprio aprendizado, enquanto o professor, ao invés de ser quem irá transmitir o conteúdo, atua como guia/conselheiro do aluno na busca pelas informações.


Na prática, como isso acontece?


O professor deve selecionar uma lista de vídeos (ou ele mesmo pode elaborá-los) e outros materiais como textos impressos, livros, entre outros, e deve divulgá-los ao aluno antes da aula, para que ele conheça e compreenda o assunto. No momento presencial, por sua vez, será a hora de tirar as dúvidas e praticar o conteúdo. Uma dica é passar um questionário para que o aluno responda antes da aula, de forma que o professor consiga analisar e se preparar para sanar as dúvidas.


Para que a proposta funcione, entretanto, é necessário um comprometimento do aluno com os estudos e, por parte do professor, a compreensão de dois pontos:


  1. que você não será a única fonte de conhecimento do aluno - e isso não quer dizer que seu papel será supérfluo, apenas que atuará com outras funções.

  2. que você poderá se deparar com uma pergunta/dúvida ou até mesmo informação apresentada pelo aluno que, para você, é desconhecida. Isso não é um problema! Quer dizer que o estudante está indo além, pesquisando e se aprofundando no conteúdo. Porém, é importante deixar claro para todos que você não é “o Google” e não tem todas as respostas e informações.


Diante disso, a Sala de Aula Invertida pode assustar em um primeiro momento e pode ser um desafio. Mas pesquisas mostram que os resultados são muito positivos: alunos se mostram mais engajados e participativos, além de apresentarem melhoras no rendimento!


Então, que tal tentar? Uma forma de garantir a eficácia do método é através da troca de impressões entre o aluno e o professor. Vale a pena perguntar ao aluno o que ele está achando dos materiais, no que está sentindo maior dificuldade ao aplicar o método (estudar sozinho? ter tempo para se preparar antes da aula?) e, a partir das respostas, ir adequando o modelo para as suas salas.



Referência:


FLORES, Linda Gladiola; Buchelli, María Guadalupe Veytia; Tabia, Javier Moreno. Clase invertida para el desarrollo de la competencia: uso de la tecnología en estudiantes de preparatoria. Educación vol.44 n.1 San José, San Pedro, Montes de Oca Jan./Jun. 2020.




133 visualizações

EU ENSINO

Conectando experiências, desenvolvendo líderes.

  • Facebook Basic Black
  • Black Instagram Icon
  • YouTube
  • LinkedIn
  • Twitter