• João Paulo Campos

Oportunizando a aprendizagem no ensino remoto

A pandemia mudou muito do que sabíamos e pretendemos na educação, sonhos foram roubados e toda a profissão docente foi reinventada. Em questão de meses tivemos que trazer um modelo escolar que datava de dois séculos atrás para algumas das ferramentas mais atuais, e isso de maneira emergencial, dentro da maior pandemia nos últimos 100 anos, com aulas e comércio fechados.


Em alguns meses, embora longe do ideal, os planos de ensino remoto e híbrido emergenciais começaram a surgir e foram postos em prática. Esbarramos em vários desafios, desde a fluência digital dos professores, a disponibilidade de acesso e de equipamentos dos estudantes. Além disso, como seguir e desenvolver um extenso currículo, ainda mais num cenário de mudança para as habilidades da BNCC?


Muitos desses desafios foram contornados ou até naturalizados com o tempo, mas, como professor e um entusiasta de tecnologia e novas metodologias na educação, vejo também que podemos aproveitar melhor esse momento. Ao invés de um currículo engessado ministrado a qualquer custo, podemos levar nossos estudantes a muitos locais através de viagens e contatos, conversas e sites.


No próprio site da Eu Ensino temos um acervo de pílulas de conteúdo completo com todas as habilidades da BNCC, mas podemos mais. Com o Google Earth, podemos visitar museus reais e, através da pesquisa do Google, buscar a realidade em 3D, entre tantas outras possibilidades que podem ser incrementadas para tornar esse momento não só um grande desafio de adaptação, mas também um momento de propiciar novas memórias e oportunidades para os estudantes.


Antes da pandemia, entre os projetos que conduzia presencialmente na escola, em um já utilizamos o modelo híbrido. Dentro das atividades de contraturno do nosso clube de ciências, estava o “Converse com um cientista”. Nesse dia, os estudantes iam para a frente do computador e lá faziam uma chamada de vídeo, muitos pela primeira vez, com alguém que realizava pesquisas científicas em diferentes locais do Brasil e do mundo. Tivemos até mesmo o dia onde o PhD Rafael Gallinari, da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, veio e, durante quase, 2h explicou de maneira lúdica aos estudantes partes da sua pesquisa em genética e biologia vegetal para os estudantes. Os alunos tiveram um tour virtual real pela universidade, laboratórios e pesquisas e puderam contextualizar com com conteúdo de genética visto no então 8° ano.


Foi uma experiência única para eles, que após meses e meses repercutiam essas “visitas” e experiências nas aulas de ciências, seja qual fosse o tema, de tão marcante tinha sido a experiência. Mais motivados, os estudantes interagiam mais e mais nas aulas de ciências e alguns dos estudantes, um ano depois e já em outra escola com aulas suspensas na pandemia, me procuravam para tirar dúvidas dos temas e saber mais sobre conteúdos curriculares e a pesquisa científica.


Do lado do pesquisador, além da experiência de divulgação científica e da satisfação pessoal em compartilhar o conhecimento com crianças, especialmente as desse projeto, moradoras de uma comunidade rural distante quase 40 Km do centro de uma cidade no sertão de Pernambuco, Petrolina-PE, era especialmente sensível e gratificante.


Não houve pirotecnia, nem foi necessário grande planejamento. Aproximamos pessoas com experiências distintas para compartilhar conhecimento e criar uma troca totalmente nova para ambos utilizando o que, na época, não era comum: uma videoconferência no Google Meet. Foi uma aula memorável para os estudantes.


O Brasil tem milhares de cursos de pós-graduação e milhares de pesquisadores. Especialmente nesse momento de pandemia, muitos podem estar dispostos a interagir e construir esse momento significativo com seus estudantes. Posso garantir a você que essa foi uma das aulas que, como professor, tive mais noção de propósito e proporcionou meu grande objetivo: fazer uma educação que transpasse as barreiras do contexto das vidas dos estudantes, dando a eles a oportunidade de crescer e vislumbrar um mundo de oportunidades que eles têm pela frente.


Que tal você usar esse recurso nas suas aulas também ? Convide pessoas, interaja e traga aos seus estudantes novas realidades nesse momento de pandemia. Vale a pena!