Foco e planejamento durante o ensino remoto

Como podemos ajudar os alunos?


Habilidades tais quais organização, foco e autocontrole são essenciais para garantir um bom rendimento dos estudos e desempenho escolar. Elas, por sua vez, dependem do funcionamento executivo do cérebro, o qual deve ser exercitado diariamente. Para tal, a rotina escolar era uma ótima aliada.


Com as aulas remotas, entretanto, em que não se tem um professor próximo e houve uma grande mudança no dia a dia de estudos, muitas vezes sem seguir uma rotina, muitos alunos têm apresentado dificuldade em se organizar e se concentrar, levando a um aumento do desinteresse e até a evasão escolar. O que, então, pode ser feito para auxiliar no desenvolvimento do foco e planejamento durante o ensino remoto?


1. Ajude o aluno a planejar e priorizar suas atividades


O funcionamento executivo do cérebro inclui o planejamento e a priorização do aprendizado. Os alunos precisam reconhecer as tarefas essenciais para concluir e criar um plano para realizá-las.


O ensino remoto pode dificultar essa análise, uma vez que tende a não ter um cronograma tão inalterável quanto o presencial. Isso pode ser ainda mais visível diante da alternância de gravidade da pandemia, que faz com que feriados e recessos sejam adiantados, aulas canceladas, e, na retomada, que os professores acabem demandando diversas atividades e trabalhos de uma única vez.


Diante disso, para auxiliar o estudante, a unidade escolar deve alinhar internamente as demandas de atividades e provas, de maneira a não deixar os alunos sobrecarregados e para que consigam se organizar diante das demandas.


Entretanto, o aluno também precisa criar mecanismos de planejamento e priorização. Uma técnica bem simples para se planejar é o “Quadro Kanban”. Ele consiste na criação de três colunas: Para fazer, Fazendo e Feito. Nelas, o aluno deverá preencher com as suas atividades escolares, de maneira que possa visualizar o que ainda precisa ser realizado, e o que já foi concluído. Para alinhar com a questão da priorização, o aluno pode inserir a data de entrega junto das atividades.


Uma sugestão bem interessante é fazer isso em um local muito visível, como a parede do quarto, e com post its, de maneira que possa mover a atividade de coluna.



2. Compartilhe com o aluno técnicas para manter o foco


Para os alunos que têm dificuldade de manter o foco em sala de aula, na sua casa o desafio é maior ainda. Existem algumas dicas para que eles consigam se concentrar melhor. Uma delas é criar uma rotina de estudos pensando nas disciplinas que têm facilidade e dificuldade e definir seus horários de estudo levando em consideração quais são seus momentos de maior distração ou cansaço.


Um exemplo: se o aluno tem dificuldade em matemática, ele deve estudar esse componente quando estiver com a "cabeça fresca”. Considerando que ele mora em uma casa com irmãos pequenos, terá mais dificuldade de se concentrar quando estiverem acordados. Então, na hora de montar o cronograma de estudos, deve optar por estudar matemática no horário em que seus irmãos estiverem dormindo.


Além de pensar nas variáveis que podem afetar a concentração na hora de montar um cronograma de estudos, algumas técnicas podem auxiliar no foco. Uma delas é o Método Pomodoro: consiste em uma técnica que dura 2h, com 4 rodadas de estudo durante 25min sem distrações, e descanso de 5 minutos.


Por ser um tempo curto de foco, tem menos chances da pessoa ser interrompida, além disso, facilita que a pessoa se concentre pensando que o tempo de dedicação não é longo, e em seguida poderá relaxar.


Muitas outras técnicas são possíveis, mas sugerimos essas como uma boa alternativa para começar. E você, quais outras metodologias tem usado para ajudar seus alunos?

Referências:


WELBY, Katheryn. How to Help Students Improve Executive Functioning During Hybrid Learning. Edutopia. 18 de marco de 2021. Texto disponivel em: <https://www.edutopia.org/article/how-help-students-improve-executive-functioning-during-hybrid-learning>