Como trabalhar as competências socioemocionais?

Dicas simples de como usá-las para melhorar a qualidade do ensino na sua escola


Embora muitos estudos utilizem o rendimento dos alunos em testes para demonstrar a qualidade do ensino de uma escola, esse não é o único fator relevante. Cada vez mais novas pesquisas mostram a importância de trabalhar as competências socioemocionais como um outro aspecto extremamente importante para medir a qualidade do ensino.


Um estudo recente mostrou que alunos de escolas que buscam desenvolver tais habilidades acabam tendo melhores resultados a longo prazo que os demais. Segundo a pesquisa, nessas escolas o número de estudantes que evadem é menor, e a quantidade que completa os estudos e ingressa na faculdade, por sua vez, é maior, especialmente entre os mais vulneráveis.


Dessa forma, fica evidente que focar apenas no aprendizado acadêmico dos alunos não é suficiente. Investir nas competências socioemocionais também é essencial. Devido a isso, elencamos aqui algumas dicas para desenvolver tais competências nos estudantes, indicando quem pode contribuir para essas ações:


  • Ter altas expectativas nos alunos e apoiá-los em suas buscas pelo sucesso acadêmico


Ao acreditar no outro (ter altas expectativas), muitas vezes acabamos incentivando-o a desenvolver uma mentalidade de crescimento. Para quem não conhece o conceito, de acordo com Carol Dweck, pesquisadora sobre o desenvolvimento pessoal e personalidade, aqueles que têm esse tipo de mentalidade entendem que seus talentos e habilidades podem ser desenvolvidas através do esforço, de um bom ensino e da persistência, de maneira que, no geral, acabam se dedicando mais. Dessa forma, a longo prazo, o rendimento dos alunos acaba tendo melhores resultados.


Essa prática, por sua vez, pode ser aplicada tanto pela comunidade escolar, quanto pelos responsáveis e outros alunos. Para tal, é importante que a gestão escolar incentive que as altas expectativas sejam aplicadas, reforçando nas reuniões com professores e alunos a crença de que todos são capazes e repassando essa mensagem também nos encontros com os pais.


  • Promover relações atenciosas entre professor e aluno e entre estudantes


De acordo com a neurociência, o aprendizado pode ser estimulado ou reprimido pelas nossas emoções. Isso porque o cérebro tem capacidade de ativar emoções de acordo com o que antecipamos para o futuro. Emoções positivas liberam serotonina e/ou dopamina no corpo, logo, quando fazemos algo que tem bons resultados ou que nos sentimos bem, liberamos o hormônio e ficamos satisfeitos e felizes.


Dessa forma, uma boa relação entre o professor e o estudante, assim como entre pares, faz com que o aluno fique mais estimulado a aprender, além de fomentar uma relação positiva com a escola, de maneira que ele se sinta confortável no ambiente escolar.


  • Abordagens de ensino envolventes, como gerenciamento proativo de sala de aula e aprendizagem cooperativa


Esse ponto, mais focado no docente, aborda a importância de trabalhar em sala metodologias ativas e o protagonismo do estudante. Trabalhar com abordagens de ensino atraentes em que o aluno seja ator do seu processo de aprendizado é muito importante para que o aluno sinta-se motivado a tentar, se expondo mais ao conteúdo e desenvolvendo diversas competências socioemocionais como sociabilidade, comunicação, curiosidade e responsabilidade.


  • Ambientes seguros e ordenados que incentivam e reforçam o comportamento positivo


Reforçar o comportamento positivo é muito importante para desenvolver diversas competências socioemocionais. A longo prazo, essa ação resulta em um desempenho acadêmico melhor. Para tal, algumas atitudes básicas podem ser implementadas por parte dos professores e gestão escolar.


No caso dos professores, um exemplo é em sala de aula, ao invés de apontar o erro do aluno, valorizar aquele estudante que está agindo da maneira esperada/correta.


Ex: Em sala o professor gostaria que, assim que chegasse, todos os alunos estivessem sentados, com o caderno aberto, em silêncio e aguardando orientações. Ao invés de chegar na sala e apontar os alunos que não estão com o comportamento desejado, o professor pode dizer: Parabéns, João, pela postura, muito bem / Turma, por favor, quero que vocês façam o mesmo que a Maria. Isso aí, Maria!


Por parte da gestão escolar, é possível também replicar o reforço ao comportamento positivo ao conversar com alunos. Além disso, o fato de garantir uma escola segura e ordenada é essencial. Quando o estudante tem medo de ir a escola e ser agredido/sofrer bullying/ter objetos roubados, é difícil que ele aja de maneira positiva no ambiente, pois tende a estar em estado de alerta e preocupação.


Dessa forma, garantir ordens claras e que os alunos se sintam confortáveis e protegidos é muito importante, para que eles consigam direcionar sua atenção ao que realmente importa, que é o aprendizado.


O que você achou das dicas? Esperamos que tenha gostado!! Caso implemente na sua escola, conte para nós o resultado, vamos adorar saber!

Falando em sala de aula, você já conhece nosso acervo gratuito de pílulas de conteúdo?


Pensando nos desafios da sua implementação, seja no ensino remoto, híbrido ou presencial, disponibilizamos materiais prontos para serem utilizados em sua prática diária :)


Veja alguns exemplos de temas desenvolvidos:


Não fique de fora e aproveite!

Referências:


DURLACK, Joseph; et a. The Impact of Enhancing Students’ Social and Emotional Learning: A Meta Analysis of School-Based Universal Interventions. CASEL. Fevereiro de 2011.


TERADA, Youki. A Fuller Picture of What a ‘Good’ School Is. Edutopia. 29 de janeiro de 2021.

171 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo