Como fazer com que meu aluno retenha o conteúdo?

Atualizado: Nov 17

Memória implícita e explícita e como ser intencional com seus alunos


Tem-se falado cada vez mais do papel da neurociência na educação, o que, convenhamos, faz muito sentido. Considerando que dependemos do nosso cérebro para aprender, compreender como ele funciona e seu desenvolvimento pode nos dar dicas muito valiosas para o processo de ensino-aprendizagem. Entre as descobertas que têm surgido sobre o tema, uma muito importante refere-se à memória de longo prazo, que é essencial para garantir que o aluno realmente aprendeu e internalizou o conteúdo.


A memória de longo prazo, diferente da memória de trabalho que guarda informações por apenas alguns segundos, armazena o conhecimento para sempre. Ou seja, em qualquer momento da sua vida que você precisar lembrá-lo, desde que continuemos a ativar essa memória de tempos em tempos, ele estará lá. Para que um novo aprendizado seja armazenado na memória de longo prazo, por sua vez, existem duas formas: através da memória explícita e da memória implícita.

A memória explícita é aquela em que você está consciente do processo de aprendizado - quando, por exemplo, o professor está explicando o conteúdo e os alunos anotando, ou quando os estudantes estão realizando um exercício sobre o tema. Esse processo deve ocorrer de maneira gradual e sequencial. Para que seja armazenado, o novo conhecimento deve estar integrado em uma rede, ao lado de conceitos semelhantes, e para ser lembrado futuramente, o caminho consolidado anteriormente deve ser seguido. Diante disso, torna-se evidente a importância do processo de prática e repetição de um novo conteúdo, sempre conectando-o com os aprendidos anteriormente.


Entretanto, essa prática não é suficiente para armazenar o novo conhecimento na memória de longo prazo. Isso porque ela é composta, em sua maior parte pela memória implícita, a qual surge de maneira prática, sem você estar consciente - como é o caso quando utilizamos metodologias ativas, em que o aluno aplica de maneira prática os conteúdos, muitas vezes sem perceber de que está utilizando o que aprendeu em sala de aula.


Porém, para que cheguemos na etapa da memória implícita é preciso, a princípio, começar pela memória explícita. Andar de bicicleta, por exemplo, depois que aprendemos, é uma ação que fica armazenada na nossa memória implícita - é uma habilidade, não precisamos pensar para executar os movimentos. Porém, até que isso aconteça, temos que praticar algumas vezes de maneira consciente.


Ok, e como tudo isso se relaciona com a sala de aula?


Cada vez mais tem se falado sobre as metodologias ativas, que são muito positivas para o aprendizado do aluno (vide tudo o que falamos sobre memória implícita). Entretanto, começar um conteúdo já com essas metodologias pode ser um erro, pois o aluno precisa primeiro aprender o conteúdo de maneira consciente através da repetição, conectando o novo conhecimento com os prévios, o que ocorre no modelo tradicional (realização de exercícios, leitura de textos..) para depois colocá-lo em prática, exercitando-o inconscientemente.


Pensando nisso, a taxonomia de Bloom pode servir como um ótimo guia para estruturar as diferentes atividades que fazem mais sentido em cada etapa do processo de aprendizagem. De acordo com ela, o aprendizado tem diferentes fases, sendo a primeira e a segunda mais relacionadas à memória explícita (mais focadas na metodologia tradicional) e as demais sendo trabalhadas através da memória implícita (mais relacionadas às metodologias ativas).

Depois de tudo o que apresentamos, qual sua impressão sobre essa proposta de mesclar o ensino mais tradicional com esses novos métodos que vêm surgindo? Que tal tentar em sua sala de aula? Vamos adorar saber o resultado!

Referências:


ABADZI, Helen. Skills to stay: Memory functions in 21st-century education. Cambridge University Press. Disponível em: https://www.cambridge.org/files/8215/9860/7008/Abadzi_CambridgeER_Memory_Functions_WEB.pdf

EU ENSINO

Conectando experiências, desenvolvendo líderes.

whats t.png
  • Facebook Basic Black
  • Black Instagram Icon
  • YouTube
  • LinkedIn
  • Twitter