5 maneiras de auxiliar crianças com TDAH no ensino remoto

Atualizado: Jan 11

Sem a estrutura que estão acostumados, as dificuldades podem ser ainda maiores


Lágrimas e acessos de raiva são palavras populares entre os pais que recorreram às redes sociais para descrever a aprendizagem remota para seus filhos com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Sem o apoio usual dos professores, ou as regras e a estrutura da sala de aula que estão acostumados, a luta para se manter organizado e acompanhar as aulas e os deveres de casa de repente se transformaram num novo desafio.


“Meu filho precisa ser prático”, diz uma mãe cujo filho da sexta série tem TDAH e ansiedade. Por causa da frustração que ele está sentindo durante as aulas online, ele começou a falar coisas inesperadamente, interrompendo seus colegas e as reuniões da mãe enquanto ela trabalha de casa. “A escola em casa somada ao TDAH está um completo... inferno”, ela descreve.


No Brasil há uma falta de dados concretos sobre a quantidade e o atendimento de crianças com TDAH, mas Luis Augusto Rohde, Coordenador-Geral do Programa de Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) do Hospital de Clinicas de Porto Alegre, afirma que dos 47 milhões de crianças e adolescentes de 6 a 18 anos do Brasil, uma média de 5% deles teria o transtorno. Esse é considerado um dos transtornos de neurodesenvolvimento mais comuns na infância e, no meio do ensino fundamental e médio, os sintomas podem incluir dificuldade para iniciar e concluir tarefas, inquietação quando não está envolvido em uma atividade, trabalho apressado e confuso e problemas para seguir instruções de várias etapas.


“O TDAH afeta todo o cérebro”, diz Adiaha Spinks-Franklin, uma pediatra especializada em desenvolvimento comportamental e professora associada do Baylor College of Medicine. “Seu cérebro não produz dopamina ou epinefrina suficientes - substâncias químicas que são importantes para o autocontrole e a autorregulação. Assim, os alunos com TDAH não conseguem regular seus impulsos, sua atenção, suas emoções. Eles têm dificuldade com organização e para administrar o tempo e o dinheiro. ”


Salas de aula remotas apresentam problemas especiais. Pesquisadores descobriram recentemente que 31% dos pais de crianças com TDAH descreveram o aprendizado remoto como “muito desafiador” e lutaram para apoiar seus filhos em casa. Educadores e alunos também podem estar em desvantagem. Na sala de aula física, os professores geralmente podem ver quando os alunos com TDAH estão confusos, inquietos e precisam de uma reorientação, mas muitos desses sinais são perdidos na interação remota mediada. Aprender em casa geralmente envolve maior independência, com mais foco e organização, duas qualidades que geralmente são escassas para alunos com TDAH.


Para apoiar crianças com TDAH no ensino fundamental e médio, educadores têm dito que estão se concentrando nos fundamentos do ensino on-line inteligente: descansos para o cérebro e o corpo, agrupamento de aulas em unidades menores e solicitação de devolutivas de seus alunos, especialmente aqueles com TDAH. “Em salas de aula regulares, todo o primeiro trimestre é sobre a compreensão dos estilos de aprendizagem dos alunos e a criação de parcerias com eles para aprender o que posso fazer para ajudá-los”, diz a educadora do ensino fundamental de Nova Orleans, Sari Levy. “Não podemos esquecer esse ponto quando ensinamos digitalmente.”


Aqui temos um resumo do que professores têm feito para ajudar seus alunos com TDAH:


1. Descubra como seus alunos aprendem melhor e apoie esse método


Aulas que são repetitivas e longas, exigindo esforço mental por muito tempo, são difíceis para a maioria das crianças, diz Sydney Zentall, uma professora emérita de estudos educacionais na Purdue University - mas são especialmente difíceis para alunos com TDAH, que tendem a se entediar e se distrair facilmente. A incorporação intencional de um elemento de escolha pode incentivar os alunos com TDAH e permitir que mantenham a atenção por mais tempo. Há também pesquisas que mostram que quando outra atividade é introduzida em plano secundário - digamos, ficar de pé por alguns minutos durante uma aula virtual ou uma música suave de fundo enquanto trabalha com problemas de matemática - pode ajudar as crianças a se concentrarem na tarefa principal.


Allen Jefferson, um estudante de 15 anos com TDAH, prefere entrar em suas aulas online em seu telefone celular porque isso permite que ele se mova pela casa ou vá até o quintal sem perder um momento de aula. Manter o corpo ocupado o ajuda a manter o foco - o telefone é apenas uma questão de conveniência: “É mais fácil andar por aí com um celular que com um laptop”, explica ele.


Para ajudar os alunos com TDAH a criar seu ambiente de aprendizagem ideal, Levy sugere um check-in privado com os alunos para discutir como eles aprendem melhor e pensar em maneiras de aumentar a efetividade de sua aprendizagem em casa. Ela faz perguntas como "Conte-me um pouco sobre onde na sua casa você aprende melhor" e "Isso parece calmo para você?".


Por fim, quando é permitido que os alunos com TDAH fiquem inquietos, eles conseguem se concentrar melhor. Annie Preziosi, administradora de educação especial em uma escola de Nova Orleans, gosta de lembrar aos alunos que agitações não precisam ser caras, e muitos itens podem ser facilmente encontrados em casa e são silenciosos, de modo que eles não afetam outras crianças: elásticos, pulseiras de miçangas, argila, uma pequena bola de handebol ou clipes de papel, por exemplo. Todos esses itens podem ajudar a manter as mãos das crianças ocupadas enquanto aprendem.


2. Ajude na organização do tempo e na observação de cronogramas


Os alunos com TDAH têm dificuldade em controlar o tempo. Definir lembretes em seus telefones sobre os horários de início das aulas, datas de entrega e outras tarefas pode ajudar. Às vezes, um simples cronômetro de cozinha pode ajudá-los a dividir as tarefas e manter o foco por períodos de tempo.


Durante o ensino remoto, técnicas de gerenciamento de tempo como a Técnica Pomodoro - essencialmente, definir um cronômetro e se concentrar em uma tarefa específica por 25 minutos, fazer uma pausa de cinco minutos e retornar à tarefa - podem ajudar as crianças a permanecerem continuamente produtivas. Falamos dessa e de outras técnicas para ajudar no processo de aprendizagem de seus alunos nesse post.


Como a organização pode ser um desafio - e como muitas escolas continuam a ajustar suas programações remotas e híbridas, exigindo que os alunos acompanhem as frequentes modificações - as crianças precisam de informações claras e fáceis de entender. Publique programações diárias em um único espaço (sempre pelo Facebook, site da escola, Whatsapp, ou outra plataforma que esteja usando) e tente não variar essa rotina. Se possível, inclua links para todos os recursos que você usará. Peça aos alunos que precisam de apoio extra para colocarem em uma parede ou porta do seu local de estudos a programação diária no nível dos olhos ou, se for uma programação digital com links, peça-lhes para mantê-la na página inicial ou plano de fundo de seu celular ou computador.


Esses tipos de estratégias ajudam a diminuir a ansiedade quando os alunos estão atrasados ​​ou não sabem o que fazer, diz Levy. “Se uma criança começar a aula em pânico, ela não se sairá bem”, diz ela, e não estará pronta para aprender. “Ninguém deveria se sentir assim.” Se ela observa que os alunos estão se atrasando e sentindo-se ansiosos, ela oferece palavras que possam tranquilizá-los, a fim de ajudar os alunos a se auto-regularem, como por exemplo: “Respire. Você está aqui. O que quer que tenha acontecido antes de você chegar aqui, deixe pra lá. ”


3. Comece do maior para o menor cenário


Crianças com TDAH geralmente lutam com as funções executivas. As funções executivas são as capacidades de autocontrole do cérebro. Elas nos permitem manter a ação e a solução de problemas em direção a um objetivo.


Uma dessas funções executivas é a capacidade de acessar o que Russell Barkley, PhD, professor clínico de psiquiatria na Medical University of South Carolina e especialista em TDAH, chama de “memória de trabalho não verbal”, que permite criar mapas mentais para guiar o comportamento de modo que possamos cumprir uma meta - mantendo sempre a memória da sequência de etapas necessárias para isso. Uma atividade para casa complexa, em várias etapas, sem a estrutura apropriada, pode ser uma grande barreira para uma criança com TDAH.


Durante o ensino remoto, diz Sydney Zentall, é especialmente importante para crianças com TDAH começar com o cenário maior para depois passar para as etapas menores. “Eles precisam ver a floresta, depois as árvores”, diz ela. De acordo com a pesquisa de Zentall, os alunos com TDAH aprendem melhor quando os professores apresentam um novo tópico ensinando a grande ideia primeiro - o oceano está esquentando, por exemplo - em vez de dar descrições detalhadas de como o aquecimento dos oceanos pode estar afetando os animais. “Comece com a ideia maior primeiro, depois com os específicos”, diz Zentall. Começar com muitos detalhes, diz ela, representa uma pressão maior para crianças com TDAH.


4. Adapte estratégias que as crianças já usam


Uma memória de trabalho fraca é comum para pessoas com TDAH, o que pode dificultar a compreensão e a retenção da leitura. Quando os alunos estão lendo um texto em uma tela, diz Annie Preziosi, eles tendem a folhear em vez de ler atentamente, tornando ainda mais difícil para crianças com TDAH entender e reter o que leram. Mas quando ela pede aos alunos que diminuam e resumam cada parágrafo, isso torna as informações “fixas para eles, para que possam se lembrar melhor”.


Quando os alunos estão lendo um texto online, Preziosi usa uma estratégia de leitura ativa em que ela enumera os parágrafos principais do material de leitura e pede aos alunos que escrevam a ideia principal de cada um. E ela usa um truque simples para ajudar seus alunos a se envolverem com a estratégia: ela pede que escrevam hashtags para os parágrafos. Assim, por exemplo, os alunos podem caracterizar um parágrafo com hashtags como #JoséAmaFutebol ou #APrincesaAmaACorVerde.


5. Proporcione descansos para o corpo e a mente


Todas as crianças se beneficiam de pausas rápidas durante o dia, mas, para crianças com TDAH, fazer pausas regulares fora das aulas remotas é fundamental para manter o foco.


Para dar pausas durante suas aulas, Levy cria intervalos regulares de movimento para seus alunos com TDAH, pedindo-lhes que concluam tarefas específicas, como reunir materiais e ferramentas para as aulas, usar o banheiro ou pegar água. Já Preziosi limita o tempo de aula a períodos de 30 minutos divididos por intervalos regulares "para liberar essa energia extra". Ela descobriu que, passando da marca de meia hora, "as crianças mais novas não conseguem absorver informações", diz Preziosi. Quando as crianças voltam para a aula online, ela os traz de volta ao fluxo com exercícios de respiração, ajudando-os a se acalmar e se preparar para o aprendizado.


Porque as crianças que aprendem em casa estão perdendo oportunidades críticas de socializar com seus colegas, Spinks-Franklin recomenda proporcionar intervalos para as crianças “brincarem e conversarem, de modo não programado” umas com as outras. “Eles precisam dessa interação social”, diz ela.


No Brasil já estamos há muitos meses com essa nova estrutura de aulas e é importante atentar para as necessidades específicas de alunos com TDAH. Você tem alguma estratégia para compartilhar além das que trouxemos no post de hoje? Deixe sua contribuição nos comentários!

Referências:


Reckdahl, Katy. “5 Ways to Support Kids With ADHD During Remote Learning”. Edutopia. Novembro 2020. Disponível em https://www.edutopia.org/article/5-ways-support-kids-adhd-during-remote-learning?


PSYCHIATRY, Jama. ABDA, 2017. Disponível em: https://tdah.org.br/maior-estudo-ja-realizado-no-mundo-revela-novas-alteracoes-cerebrais-no-transtorno-do-deficit-de-atencao-2/


Focus. 2019. “Excesso de Medicação para TDAH? Novas estatísticas apontam o contrário na Inglaterra… E No Brasil?”. Disponível em: http://focustdah.com.br/2019/03/07/estatisticas-medicacao-tdah/

307 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

EU ENSINO

Conectando experiências, desenvolvendo líderes.

whatsapp
  • Facebook Basic Black
  • Black Instagram Icon
  • YouTube
  • LinkedIn
  • Twitter